bispo.jpg

O bispo de Leiria-Fátima presidiu, na noite de 31 de dezembro de 2011, no Santuário de Fátima, à eucaristia de ação de graças pelo ano que findava, momento em que descreveu a situação de crise que vive “o nosso país doente” (Portugal) e em que procurou sensibilizar para “caminhos de esperança”.


“Não é tempo de pessimismos nem de catastrofismos. Também não é tempo de ilusões e de falsas seguranças que escondam as dificuldades do momento. É tempo de encorajamento e de empenho, em que cada um possa dar algo para que a esperança não morra e a paixão pelo que é possível não seja abandonada”, afirmou D. António Marto, durante a missa, celebrada na Igreja da Santíssima Trindade.


Intitulada “Abrir caminhos de confiança em tempo de dificuldades”, a homilia do bispo da Diocese de Leiria-Fátima falou da “gravidade da crise que nos atinge” e “do sentido de dever de cada um”.


“Sem o contributo pessoal de cada um, a barca corre o risco de se afundar. Cada um deve fazer a sua parte para que a esperança vença o medo tanto a nível pessoal como coletivo”, disse D. António, acrescentando que “desta emergência grave só sairemos todos juntos e solidários”.


Este empenho geral, considerou, deve ser equitativo: “Certamente, quem tem mais tem o dever de dar mais. Isto chama-se equidade. Os mais ricos devem contribuir mais para curar a economia do nosso país doente. Mas ninguém é tão pobre que não possa oferecer algo para salvar a barca comum: a qualidade do trabalho, escolhas de sobriedade, aceitação de sacrifícios em nome da solidariedade, proximidade e partilha com os mais frágeis e carenciados”.


“A crise pode ser mais uma razão para refletir sobre as opções a tomar para a nossa vida pessoal e coletiva. É, sem dúvida, um desafio a crescermos em solidariedade. Os gestos de solidariedade são sinais de esperança em tempo de crise”, apelou D. António Marto.


Um outro alerta foi deixado pelo bispo da diocese de Leiria-Fátima: “Não basta a lei dos mercados. A humanidade não foi criada para servir os mercados; estes é que foram criados para servir a humanidade. Se este princípio for respeitado, a esperança vencerá o medo”.


LeopolDina Simões


A homilia de D. António Marto, na íntegra está disponível em http://www.fatima.pt/ “Homilias | Mensagens”